domingo, 25 de maio de 2014

Espírito Santo e a Igreja

O Espírito de Cristo na plenitude do tempo
João, Precursor, Profeta e Batista
§717. "Houve um homem enviado por Deus. Seu nome era João" (Jo 1,6). João é "repleto do Espírito Santo, ainda no seio de sua mãe" (Lc 1,15.41) por obra do próprio Cristo que a Virgem Maria acabava de conceber do Espírito Santo A "visitação" de Maria a Isabel tornou-se, assim, "visita de Deus ao seu povo".

§718. João é "Elias que deve vir": o Fogo do Espírito habita nele e o faz "correr adiante" (na qualidade de "precursor") do Senhor que vem. Em João, o Precursor, o Espírito Santo concluía a obra de "preparar para o Senhor um povo bem-disposto" (Lc 1, 17).
§719. João é "mais do que um profeta". Nele, o Espírito Santo conclui a tarefa de "falar pelos profetas". João encerra o ciclo dos profetas inaugurado por Elias. Anuncia a iminência da Consolação de Israel, é a "voz" do Consolador que vem.
Como fará o Espírito de Verdade, "ele vem como testemunha, para dar testemunho da Luz" (Jo 1,7). Aos olhos de João o Espírito realiza, assim, as "pesquisas dos profetas" e o "desejo" dos anjos:
·         "Aquele sobre quem vires o Espírito descer e permanecer é o que batiza com o Espírito Santo Eu vi e dou testemunho de que ele é o Filho de Deus... Eis o Cordeiro de Deus" (Jo 1,33-36).

§720. Finalmente, com João Batista o Espírito Santo inaugura, prefigurando-o, o que realizará com e em Cristo:
·         restituirá ao homem "a semelhança" divina.
O Batismo de João era para o arrependimento, o Batismo da água e no Espírito será um novo nascimento.

O Cristo Jesus
§727. Toda a missão do Filho e do Espírito Santo na plenitude do tempo está contida no fato de o Filho ser o Ungido do Espírito do Pai desde a sua Encarnação: Jesus é o Cristo, o Messias.
Todo o segundo capitulo do Símbolo da fé deve ser lido sob esta luz. Toda a obra de Cristo é missão conjunta do Filho e do Espírito Santo. Aqui mencionaremos somente o que diz respeito à promessa do Espírito Santo feita por Jesus e o dom do Espírito pelo Senhor glorificado.

§728. Jesus não revela plenamente o Espírito Santo enquanto Ele mesmo não é glorificado por sua Morte e Ressurreição. Contudo, sugere-o pouco a pouco, mesmo em seus ensinamentos as multidões, quando revela que sua Carne será alimento para a vida do mundo sugere-o também a Nicodemos, a Samaritana e aos que participam da festa dos Tabernáculos. A seus discípulos, fala dele abertamente a propósito da oração do testemunho que deverão dar.

§729. É somente quando chega a Hora em que vai ser glorificado que Jesus promete a vinda do Espírito Santo, pois sua Morte e Ressurreição serão o cumprimento da Promessa feita aos Apóstolos:
·         o Espírito de Verdade, o Paráclito, será dado pelo Pai a pedido de Jesus;
·         Ele será enviado pelo Pai em nome de Jesus;
·         Jesus o enviará de junto do Pai, pois ele procede do Pai.
·         O Espírito Santo virá, nós o conheceremos,
·         Ele estará conosco para sempre, Ele permanecerá conosco;
·         Ele nos ensinará tudo e nos lembrará de tudo o que Cristo nos disse, e dele dará testemunho;
·         conduzir-nos-á à verdade inteira e glorificará a Cristo.
·         Quanto ao mundo, confundi-lo-á em matéria de pecado, de justiça e de julgamento.

§730. Finalmente chega a Hora de Jesus. Jesus entrega seu espírito nas mãos do Pai momento em que, por sua Morte, e, vencedor da morte, de maneira que, "ressuscitado dos mortos pela Glória do Pai" (Rm 6,4), dá imediatamente o Espírito Santo, "soprando" sobre seus discípulos.
A partir dessa Hora, a missão de Cristo e do Espírito passa a ser a missão da Igreja: "Como o Pai me enviou, também eu vos envio" (Jo 20,21)

O Espírito e a Igreja nos últimos tempos
Pentecostes
§731. No dia de Pentecostes (no fim das sete semanas pascais), a Páscoa de Cristo se realiza na efusão do Espírito Santo, que é manifestado, dado e comunicado como Pessoa Divina: de sua plenitude, Cristo, Senhor, derrama em profusão o Espírito.
§732. Nesse dia é revelada plenamente a Santíssima Trindade.
A partir desse dia, o Reino anunciado por Cristo está aberto aos que crêem nele; na humildade da carne e na fé, eles participam já da comunhão da Santíssima Trindade. Por sua vinda e ela não cessa, o Espírito Santo faz o mundo entrar nos "últimos tempos", o tempo da Igreja, o Reino já recebido em herança, mas ainda não consumado:
·         Vimos a verdadeira Luz, recebemos o Espírito celeste, encontramos a verdadeira fé: adoramos a Trindade indivisível, pois foi ela quem nos salvou.

CIC-Catecismo da Igreja Católica