sábado, 19 de outubro de 2013

Domingo: Dia do Senhor

O Dia de sábado no Antigo Testamento
- Na Bíblia emprega-se a palavra ‘sábado’ com diversos significados: ‘repouso’ ou ‘descanso’ de um dia (Êx 20,10) ou ‘repouso’ de um ano (Lev 25, 4) ou indica período de 70-anos (2Cr 36,21).
  • “Assim foram feitos o céu e a terra e tudo o que existe neles. Deus terminou seu trabalho no sétimo dia, e descansou neste dia de tudo o que tinha feito. Deus bendisse o sétimo dia e o tornou santo porque nesse dia Ele descansou de todo seu trabalho de criação.” (Gn 2, 2-3). “Seis dias trabalharás e farás tuas obras, mas o sétimo é sábado de Javé teu Deus.” (Dt 5, 13-14)
- Percebemos que nesses textos a palavra ‘sábado’(descanso) tem para o povo do Antigo Testamento um novo sentido, um sentido religioso. O sábado lhes recordava a Criação de Deus em seis dias com seu descanso no sétimo dia que é consagrado a Deus.

- Com o tempo, a prática do repouso do sábado foi assumida pela lei judaica que agia de forma radical proibindo 39-praticas de trabalho no sétimo dia: proibição de recolher lenha (Nm 15,32); proibição de preparar alimentos (Ex 16,23); proibição de acender fogo (Ex 35,3); etc.
- Pouco a pouco a prática do repouso do sábado se converteu em uma observância escrupulosa e hipócrita. Os profetas do Antigo Testamento lançam uma dura critica contra a prática legalista do sábado que converteu os israelistas num povo sem devoção interior (Os 1,2 e 2,13).

- O agir de Deus é o modelo do agir humano. Se Deus "retomou o fôlego" no sétimo dia (Ex 31,17), também o homem deve "folgar" e deixar que os outros, sobretudo os pobres, "retomem fôlego". O sábado faz cessar os trabalhos cotidianos e concede uma pausa. É um dia de protesto contra as escravidões do trabalho e o culto ao dinheiro.
- O Evangelho relata numerosos incidentes em que Jesus é acusado de violar a lei do sábado. Mas Jesus nunca profana a santidade desse dia. Dá-nos com autoridade sua autêntica interpretação: "O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado" (Mc 2,27).
- Movido por compaixão, Cristo se permite, no "dia de sábado, fazer o bem de preferência ao mal, salvar uma vida de preferência a matar.”
- O sábado é o dia do Senhor das misericórdias e da honra de Deus.
"O Filho do Homem é Senhor até do sábado" (Mc 2,28). (CIC 2172-73)


A Ressurreição de Jesus
- O argumento fundamental para optar pelo dia de Domingo procede da Ressurreição do Senhor.
- Os quatro evangelistas concordam em que a Ressurreição de Cristo aconteceu no ‘primeiro dia da semana’, que corresponde ao Domingo de agora : Mateus 28,1; Marcos 16,2; Lucas 24,1 e João 20,1.19.
- O fato da Ressurreição de Cristo ser no dia de Domingo era altamente significativo para os discípulos e será, desde então, o centro da fé cristã.

Existem duas razões para celebrar o dia da Ressurreição:
1ª) Com sua morte e Ressurreição, Jesus começou a Nova Aliança e terminou a Antiga Aliança.
Durante a última Ceia, Jesus proclamou: “Este cálice é a Nova Aliança, selado com meu sangue, que vai ser derramado por vocês.”(Lc 22,20)
Os discípulos de Jesus pouco a pouco perceberam que nessa Nova Aliança a lei de Moisés e suas práticas teriam outro sentido.

2ª) A morte e a Ressurreição de Cristo significavam também para os primeiros cristãos a Nova Criação, já que Jesus culminava sua obra precisamente com sua morte e Ressurreição, justamente no Domingo, que será, desde então, ‘O Dia do Senhor’.
- Nós também recebemos a promessa de entrar com Cristo nesse repouso (Hb 4, 1-16). Então, o Domingo, ‘O Dia do Senhor’, é o verdadeiro dia de descanso, em que os homens repousarão de suas fadigas à imagem de Deus que descansa de seus trabalhos (Hb 4,10; Ap 14,13).
  • Daqui em diante a fé dos cristãos tem como centro Cristo Ressuscitado e Glorificado. E para nós cristãos é muito lógico celebrar o ‘Dia do Senhor’(Domingo) como o ‘Novo dia’ da Criação (Is 2,12).

“Quando meditamos, ó Cristo, as maravilhas que foram operadas neste dia de Domingo de Vossa Santa Ressurreição, dizemos:
  • Bendito é o dia do Domingo, pois foi nele que se deu:  o começo da criação  /  a salvação do mundo  /  e a renovação do gênero humano. É nele que o céu e a terra rejubilaram e que o universo inteiro foi repleto de luz.
  • Bendito é o dia do Domingo, pois nele foram abertas as portas do paraíso para que Adão e todos os banidos entrem nele sem medo.”(CIC 1167)
Significado original do Domingo (Dies Domini)
- Infelizmente, quando o domingo perde o significado original e se reduz a puro «fim de semana», pode acontecer que o homem permaneça cerrado num horizonte tão restrito, que não mais lhe permite ver o «céu». Então, mesmo bem trajado, torna-se intimamente incapaz de «festejar».

- Aos discípulos de Cristo, contudo, é-lhes pedido que não confundam a celebração do domingo, que deve ser uma verdadeira santificação do Dia do Senhor, com o «fim de semana» entendido fundamentalmente como tempo de mero repouso ou de diversão.
- Urge, a este respeito, uma autêntica maturidade espiritual, que ajude os cristãos a «serem eles próprios», plenamente coerentes com o dom da fé, sempre prontos a mostrar a esperança neles depositada (1 Ped 3,15). Isto implica também uma compreensão mais profunda do domingo, para poder vivê-lo com plena docilidade ao Espírito Santo.

- A vida inteira do homem e todo o seu tempo, devem ser vividos como louvor e agradecimento ao seu Criador. Mas a relação do homem com Deus necessita também de momentos explicitamente de oração, nos quais a relação se torna diálogo intenso, envolvendo toda a dimensão da pessoa.
O «Dia do Senhor» é, por excelência, o dia desta relação, no qual o homem eleva a Deus o seu canto, tornando-se eco da inteira criação.
  • O Domingo é dia de oração, de comunhão, de alegria, ele repercute-se sobre a sociedade, irradiando sobre ela energias de vida e motivos de esperança.
  • O Domingo é o anúncio de que o tempo, habitado por Aquele que é o Ressuscitado e o Senhor da história, não é o túmulo das nossas ilusões, mas o berço dum futuro sempre novo, a oportunidade que nos é dada de transformar os momentos fugazes desta vida em sementes de eternidade.
  • O Domingo é convite a olhar para diante, é o dia em que a comunidade cristã eleva para Cristo o seu grito: «Maranatha: Vinde, Senhor!» (1 Cor 16,22). Com este grito de esperança e expectativa, a comunidade faz-se companheira e sustentáculo da esperança dos homens. De domingo a domingo, iluminada por Cristo, ela caminha para o domingo sem fim da Jerusalém celeste quando estiver completa em todas as suas feições, a mística Cidade de Deus, que «não necessita de Sol nem de Lua para a iluminar, porque é iluminada pela glória de Deus, e a sua luz é o Cordeiro» (Ap 21,23). Dies Domini-João Paulo II