terça-feira, 8 de outubro de 2013

Creio no Espírito Santo...

(8º artigo do Credo Católico ou 8ª verdade de fé)
Creio no Espírito Santo
- “Ninguém pode dizer ‘Jesus é Senhor’ a não ser no Espírito Santo”. "Deus enviou a nossos corações o Espírito de seu Filho que clama: Abbá, Pai!". Este conhecimento de fé só é possível no Espírito Santo. Para estar em contato com Cristo, é preciso primeiro ter sido tocado pelo Espírito Santo. É ele que nos precede e suscita em nós a fé. Por nosso Batismo, primeiro sacramento da fé, a Vida, que tem sua fonte no Pai e nos é oferecida no Filho, nos é comunicada intimamente e pessoalmente pelo Espírito Santo na Igreja:
  • O Batismo nos concede a graça do novo nascimento em Deus Pai por meio de seu Filho no Espírito Santo. Pois os que têm o Espírito de Deus são conduzidos ao Verbo, isto é, ao Filho; mas o Filho os apresenta ao Pai, e o Pai lhes concede a incorruptibilidade. Portanto, sem o Espírito não é possível ver o Filho de Deus, e sem o Filho ninguém pode aproximar-se do Pai, pois o conhecimento do Pai é o Filho, e o conhecimento do Filho se faz pelo Espírito Santo.

Símbolos do Espírito Santo
- A água. O simbolismo da água é significado da ação do Espírito Santo no Batismo, pois após a invocação do Espírito Santo ela se torna o sinal sacramental eficaz do novo nascimento: assim como a gestação de nosso primeiro nascimento se operou na água, da mesma forma também a água batismal significa realmente que nosso nascimento para a vida divina nos é dado no Espírito Santo.
- A unção. O simbolismo da unção com óleo também é significativo do Espírito Santo. Na iniciação cristã, ela é o sinal sacramental no Batismo e na confirmação.
- O fogo. Enquanto a água significa o nascimento e a fecundidade da Vida dada no Espírito Santo o fogo simboliza a energia transformadora dos atos do Espírito Santo.
- A nuvem e a luz. Estes dois símbolos são inseparáveis nas manifestações do Espírito Santo. Desde as teofanias do Antigo Testamento, a Nuvem, ora escura, ora luminosa, revela o Deus vivo e salvador.
- O selo. Por indicar o efeito indelével da unção do Espírito Santo nos sacramentos do batismo, da confirmação e da ordem, a imagem do selo tem sido utilizada para exprimir o "caráter" indelével impresso por estes três sacramentos que não podem ser reiterados.
- A mão. É impondo as mãos que Jesus cura os doentes e abençoa as criancinhas. Em nome dele, os apóstolos farão o mesmo. Melhor ainda: é pela imposição das mãos dos apóstolos que o Espírito Santo é dado.
- O dedo. "E pelo dedo de Deus que (Jesus) expulsa os demônios." Se a Lei de Deus foi escrita em tábuas de pedra "pelo dedo de Deus", a "letra de Cristo", entregue aos cuidados dos apóstolos é escrita com o Espírito de Deus vivo não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, nos corações.
- A pomba. No fim do dilúvio (cujo simbolismo está ligado ao batismo), a pomba solta por Noé volta com um ramo novo de oliveira no bico, sinal de que a terra é de novo habitável. Quando Cristo volta a subir da água de seu batismo, o Espírito Santo, em forma de uma pomba, desce sobre Ele e sobre Ele permanece.

O Espírito Santo e Maria
- Maria, a Mãe de Deus toda santa, sempre Virgem, é a obra prima da missão do Filho e do Espírito na plenitude do tempo e porque o seu Espírito a preparou, o Pai encontra a morada em, que seu Filho e seu Espírito podem habitar entre os homens.
  • O Espírito Santo preparou Maria com sua graça. Por pura graça, ela foi concebida sem pecado como a mais humilde das criaturas; a mais capaz de acolher o Dom inefável do Todo-Poderoso.
  • Em Maria, o Espírito Santo realiza o desígnio benevolente do Pai.
  • Em Maria, o Espírito Santo manifesta o Filho do Pai tornado Filho da Virgem.
  • Por Maria o Espírito Santo começa a pôr em Comunhão com Cristo os homens, "objetos do amor benevolente de Deus", e os humildes são sempre os primeiros a recebê-lo.
- Ao final desta missão do Espírito, Maria torna-se a "Mulher", nova Eva, "mãe dos viventes", Mãe do "Cristo total".

O Espírito Santo – Dom de Deus
- "Deus é Amor". E o Amor é o primeiro dom. Ele contém todos os demais. - Este amor, "Deus o derramou em nossos corações pelo Espírito que nos foi dado". Pelo fato de estarmos mortos, ou, pelo menos, feridos pelo pecado, o primeiro efeito do dom do Amor é a remissão de nossos pecados. É a comunhão do Espírito Santo que, na Igreja, restitui aos batizados a semelhança divina perdida pelo pecado.
- Ele dá, então, o "penhor" ou as "primícias" de nossa Herança: a própria vida da Santíssima Trindade, que é amar "como Ele nos amou". Este amor é o princípio da vida nova em Cristo, possibilitada pelo fato de termos "recebido uma força, a do Espírito Santo".
- É por este poder do Espírito que os filhos de Deus podem dar fruto. Aquele que nos enxertou na verdadeira vida nos fará produzir "o fruto do Espírito, que é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio" (Gl 5,22-23). "Se vivemos pelo Espírito", quanto mais renunciarmos a nós mesmos, tanto mais "pelo Espírito pautemos também a nossa conduta":
- Por estarmos em comunhão com Ele, o Espírito Santo:
·         torna-nos espirituais,
·         recoloca-nos no Paraíso,
·         reconduz-nos ao Reino dos Céus e à adoção filial,
·         dá-nos a confiança de chamarmos Deus de Pai
·         e de participarmos na graça de Cristo,
·         de sermos chamados filhos da luz
·         e de termos parte na vida eterna.
O Espírito Santo e a Igreja
- A missão de Cristo e do Espírito Santo realiza-se na Igreja, Corpo de Cristo e Templo do Espírito Santo. Esta missão conjunta associa a partir de agora os fiéis de Cristo à sua comunhão com o Pai no Espírito Santo:
  • O Espírito prepara os homens,
  • antecipa-se a eles por sua graça, para atraí-los a Cristo.
  • Manifesta-lhes o Senhor ressuscitado,
  • lembra-lhes sua palavra, abrindo-lhes o espírito à compreensão de sua Morte e Ressurreição.
  • Torna-lhes presente o mistério de Cristo, eminentemente na Eucaristia, a fim de reconciliá-los, de colocá-los em comunhão com Deus, a fim de fazê-los produzir "muito fruto".
- Por ser o Espírito Santo a unção de Cristo, é Cristo, a Cabeça do Corpo, que o difunde em seus membros, para alimentá-los, curá-los, organizá-los em suas funções mútuas, vivificá-los, enviá-los a testemunhar, associá-los à sua oferta ao Pai e à sua intercessão pelo mundo inteiro. É pelos sacramentos da Igreja que Cristo comunica aos membros de seu Corpo o seu Espírito Santo.

CIC-Catecismo da Igreja Católica 683-747
Imprima frente e verso na folha A4 (folheto)